ccccff
La marée haute
segunda-feira, dezembro 31, 2007
  Lhasa de Sela - La confession

Etiquetas:

 
  Liberdade*

*Aqui nesta praia onde
Não há nenhum vestígio de impureza,
Aqui onde há somente
Ondas tombando ininterruptamente,
Puro espaço e lúcida unidade,
Aqui o tempo apaixonadamente

Encontra a própria liberdade.


Sophia de Mello Breyner Andresen


Um belo prémio com que a Maria Árvore entendeu distinguir-me, o da liberdade. Não vou passá-lo a ninguém porque para mim a blogosfera é, em geral, sinal de liberdade e responsabilidade, sendo que uma e outra não existem separadas, de forma digna.

Simplesmente partilho um poema de Sophia, cuja poesia respira profundamente, sempre, a liberdade.

Etiquetas:

 
  Porque no limite a música ajuda a respirar

Lhasa de Sela e Antony Hegarty de Antony and The Jonhsons são dois dos intérpretes mais carismáticos e emotivos a cuja voz tenho o prazer de me render de há dois anos para cá.

No último dia de 2007 deixo aqui a sua música e os votos de um bom 2008, grata pela vida que tenho (o [in]evitável toque íntimo) e pelas pessoas bonitas que conheço na blogosfera.

Etiquetas:

 
domingo, dezembro 30, 2007
  Antony and The Johnsons - The lake

Etiquetas:

 
  Call-girl

Fui ver Call-girl, de António Pedro Vasconcelos. Aparte o facto de cada frase ter uma quantidade excessiva porque gratuita de asneiras, gostei da interpretação da Soraia Chaves, do Ivo Canelas (muito bom), do Nicolau Breyner (fantástico actor este) e de outros actores, mais secundários e igualmente convincentes. Quanto ao écran, esse pertence esteticamente a Soraia Chaves, que parece fazer amor com as câmaras, deslumbrante e suavemente avassaladora, e, se nos conseguirmos abstrair dos seus visíveis atributos, uma promessa forte de actriz.

Etiquetas:

 
  A forma perfeita do amor

Do primeiro amor ou enamoramento (teria 10, 14 anos?) pouco me lembro a não ser que à luz de hoje não podia ser amor, mas a verdade é que a essa luz da distância, quente apesar de tudo, cínica um pouco também, a poucos amores do passado serve a forma perfeita do amor.

Etiquetas:

 
 



Wilhelm Gorre

Etiquetas:

 
  O espelho tripartido

No quarto da minha mãe havia um toucador com um espelho tripartido. Os espelhos da minha mãe consumiam-me tempo e vaidade, pois já então eu era, como continuo a ser, um pouco mais dada a vaidades que ela, o que não corresponde necessariamente a um melhor resultado final. Era no espelho de três faces que eu me inspeccionava os defeitos e a ele indagava das minhas imaginárias qualidades. De tanto o olhar às vezes partia-me e assim partida e perdida entrava dentro da alma dele: "Quem sou eu? Serei estes olhos, esta boca, este ar perdido?" Tinha 12 anos e era o meu primeiro espelho.

Etiquetas:

 
sábado, dezembro 29, 2007
 

O primeiro espelho e o primeiro amor decidem quase sempre da sorte de uma mulher.
Augusto de Castro, As mulheres e as cidades


É bonito e poético e apetece-me
mas não concordo.

Etiquetas:

 
sexta-feira, dezembro 28, 2007
 



Andy Warhol, Red Sam

Etiquetas:

 
  E,

a violência é frequentemente o rosto da cobardia.
 
  Ideais

Gandhi, que fazia parte de uma das dinastias mais antigas da Índia, tal como Benazir Buto do Paquistão, dizia isto, e cito:

Quando não se possa escolher senão entre a cobardia e a violência, aconselharei a violência.

Lendo e reformulando conforme as conveniências haverá sempre quem argumente que a violência é a solução, mesmo que dentro dela caiba o ódio, essa paixão destruidora e a intolerância. Afinal se isso significar não ser cobarde...
A melhor definição de coragem li-a no livro de Harper Lee, Não matem a cotovia (a coragem não é um homem de arma na mão, é um homem que sem armas luta pelos seus ideais).
 
quinta-feira, dezembro 27, 2007
 



Tamara de Lempicka
 
  O desafio da Fábula

Miss Peggy Lee e a sua sensual Fever que a ruborizava toda, disse, contrafeita, para Mr. Carlson: E estes rapazes simpáticos, este som que se entranha na pele estão agora a dar-me cabo do juízo e a dar-me música mas se eles pensam que eu me rendi ao cabaz de Natal cheio de diospiros estão bem enganados.

Mas Miss Lee, argumentou Mr. Carlson (chame-me Carl, Peggy...Permite-me que a trate por Peggy?...) sente-se aqui nesta bela poltrona de Le Corbusier que eu sou homem para me sentar ao seu lado e a amparar nalguma fraqueza febril.

Oh Carl...já disse que gosto de cadeiras? As cadeiras são os grandes amparos da vida!

Peggy, gosta de filmes de Natal?

Gosto...tem alturas que sim. No Natal é uma dessas alturas.

Pois eu é mais canções. Só nestas alturas pois claro, só para sentir que estou no Natal (ao ponto a que chegámos; precisamos dos símbolos para chegar ao que eles significam, agora engolia em seco se não estivesse a beber uma imperial fresquinha por causa da febre da Peggy).

Conhece a do Bing Crosby, a de Count your blessings instead of sheep, Carl?
Conheço, Peggyzinha, era essa que eu canto à noite quando não consigo adormecer, ponho-me a contar carneiros e antes de chegar ao 25º carneiro já cá não estou.

...er...Mr Carlson?...Essa canção é para falar das graças recebidas, não é para contar carneiros (e põe-se ele a contar carneiros). Vou-lhe oferecer um livro de auto-ajuda a ver se me compreende melhor.

Não, Peggy, oponho-me terminantemente a tal! Ler é sinal de desrespeito pela Natureza, é que por isso que não leio. Por cada livro, por cada edição de 10.000 livros já viu quanta árvore é decapitada? As árvores e os livros, eternamente ligados nesta chacina com que este governo socialista é conivente. Eu um dia se inventasse um romance inventava um em que se queimavam todos os livros para que duma vez por todas as pessoas encarassem a realidade e vissem que só assim se podem salvar.

Carl, profunda a anonimamente eu, Peggy, lhe digo que você devia era ter um blog.O que disse estaria bem num post. Um post estranho mas útil. Escoará a estranheza do pensado e deixar-me-à leve. Ou não. E a si, deixá-lo-ia leve?

(Ai, esta mulher mata-me) Peggy...eu nem tenho internet em casa!
 
 

Jeff Buckley

Etiquetas:

 
  avó

eu
que filmei Natais e aniversários querendo deixar-me memórias para o futuro

hoje
nesse futuro
a suave dor de ver a minha avó
como se viva fosse

Etiquetas:

 
quarta-feira, dezembro 26, 2007
  Oscar Peterson - You look good to me




Isto é magia pura.

Etiquetas:

 
  No tempo a boca

De todos os traços da beleza feminina, a boca é a única feição que recorda - a única sobre a qual os beijos e as lágrimas deixam marcas que o tempo não apaga.

Augusto de Castro, As mulheres e as cidades

Etiquetas:

 
  Peter Gabriel - The book of love

Etiquetas:

 
  Estabilidade emocional é

Ele tinha bastante estabilidade emocional. Nenhuma, mas nenhuma das suas relações durava mais que três meses, mais semana, menos mês. Se isto não é estabilidade, name it.
 
terça-feira, dezembro 25, 2007
  o seu próprio destino

"...a sua imagem separou-se dele e partiu em sentido contrário, para viver as suas próprias aventuras, cumprir o seu próprio destino.
Podemos esconder-nos por trás da nossa imagem, podemos desaparecer para sempre atrás da nossa imagem, podemos separar-nos da nossa imagem: nunca somos a nossa própria imagem."

Milan Kundera, A imortalidade

Etiquetas:

 
 



Oscar Peterson
(1925-2007)

Etiquetas:

 
segunda-feira, dezembro 24, 2007
  ..festinhas no nariz beijinhos de esquimó

Para os meus caros amigos a quem não desejei de uma forma mais pessoal os meus votos natalícios
desejo
umas Festas Felizes
incluindo
festinhas no nariz e beijinhos de esquimó




Tom Browning
 
  O Natal...David Mourão-Ferreira

É o braço do abeto a bater na vidraça?
E o ponteiro pequeno a caminho da meta!
Cala-te, vento velho! É o Natal que passa,
A trazer-me da água a infância ressurrecta.
Da casa onde nasci via-se perto o rio.
Tão novos os meus Pais, tão novos no passado!
E o Menino nascia a bordo de um navio
Que ficava, no cais, à noite iluminado...
Ó noite de Natal, que travo a maresia!
Depois fui não sei quem que se perdeu na terra.
E quanto mais na terra a terra me envolvia
E quanto mais na terra fazia o norte de quem erra.
Vem tu, Poesia, vem, agora conduzir-me
À beira desse cais onde Jesus nascia...
Serei dos que afinal, errando em terra firme,
Precisam de Jesus, de Mar, ou de Poesia?


David Mourão-Ferreira

Etiquetas:

 
  Agora misturo tudo, Fábula? :)

1) Filmes de Natal
2) Bing Crosby - Count Your Blessings Instead Of Sheep
3) Profunda e anonimamente eu
4) (Diospiros)
5) As árvores e os livros
6) E estes rapazes simpáticos, este som que se entranha na pele
7) Miss Peggy Lee e a sua sensual Fever...
8) Já disse que gosto de cadeiras?
9) Música
10) Um post estranho mas útil. Escoará a estranheza do pensado e deixar-me-à leve. Ou não.

Etiquetas:

 
sábado, dezembro 22, 2007
  Filmes de Natal



...............................................Cheguei a este filme, que não vi, através da canção para ele escrita por Irving Berlin. Oiço-a aqui em casa cantada por Rosemary Clooney e oiço-a aqui no blog na voz de Bing Crosby, um e outro protagonistas de White Christmas, filme de 1954 realizado por Michael Curtiz.


...............................................Para esta altura elejo filmes clássicos e mágicos, os igualmente clássicos filmes com o Vasco Santana e o António Silva e a simpática trilogia do Shrek.


...............................................What about you?

Etiquetas:

 
  Bing Crosby - Count Your Blessings Instead Of Sheep

Etiquetas:

 
 

"When I'm worried and I can't sleep
I count my blessings instead of sheep"
 
  Profunda e anonimamente eu

Às cinco para as dez sou a primeira a entrar na loja. Meia hora depois já não há rostos mas apenas a célebre multidão anónima de que também faço parte nos olhos dos outros. Escolho, pago, saio. Cá fora ainda mais gente. Caminho devagar e propositadamente com vagar, como que alheia aos dias vorazes da época. Pego em mim lentamente, pedindo ao braço cansado resistência e aos sentidos equilíbrio na vertigem das luzes/canções de Natal/embrulhos/filas e faço o meu caminho, paciente e teimosamente rumo ao lugar secreto.
 
 



(War and Peace - Pablo Picasso)

Não sei se vá se vagueie sem destino e hora marcada se diga adeus se disser adeus é para sempre ao meu good old melodramatic comic style afinal
só os mortos sabem morrer, não é, Mia Couto?
 
quarta-feira, dezembro 19, 2007
  (Diospiros)



La Promesse, Rene Magritte

Há frutos que é preciso
acariciar
com os dedos com
a língua

e só depois
muiito depois

se deixam morder.



Jorge de Sousa Braga
 
  As árvores e os livros

(...)

É evidente que não podes plantar
no teu quarto, plátanos ou azinheiras.
Para começar a construir uma biblioteca,
basta um vaso de sardinheiras.


Jorge Sousa Braga


Para mim um dos maiores poetas portugueses contemporâneos.

Etiquetas:

 
  E estes rapazes simpáticos, este som que se entranha na pele



Beirut, Nantes

Etiquetas:

 
terça-feira, dezembro 18, 2007
  Miss Peggy Lee e a sua sensual Fever...

Etiquetas:

 
 

Já disse que gosto de cadeiras?



Charles and Ray Eames
 
  Música



Este gatinho dá-me música. E percebe da coisa.

Etiquetas:

 
domingo, dezembro 16, 2007
  Um post estranho mas útil. Escoará a estranheza do pensado e deixar-me-à leve. Ou não.

(Charles and Ray Eames)

Eu penso que estamos basicamente sozinhos. Ninguém pensa exactamente como nós nem parte das mesmas premissas, referências e origens. Cada um de nós desenvolve-se em direcção a um futuro próprio, essa meta que se cria e adia e se realiza a cada momento e quanto mais individualizados somos mais trilhamos um caminho único e o preço a pagar é a incompreensão dos que trilham diferentes caminhos (todos os outros) ou que estagnam na amorfia dos dias copiados um após o outro.
Katherine Hepburn dizia que queria, em primeiro lugar, estar bem, mais que com os outros, com ela própria. Afinal ela era a única pessoa que a ia acompanhar em todos os momentos da vida. Para sempre e sem hipótese de fuga.
 
  Devendra Banhart - A Ribbon

Etiquetas:

 
  How deep is the ocean

How can i tell you what is in my heart?
How can i measure each and every part?
How can i tell you how much i love you?
How can i measure just how much i do?

How much do i love you?
I'll tell you no lie
How deep is the ocean?
How high is the sky?

How many times a day do i think of you?
How many roses are sprinkled with dew?

How far would i travel
To be where you are?
How far is the journey
From here to a star?

And if i ever lost you
How much would i cry?
How deep is the ocean?
How high is the sky?


(Letra de Irving Berlin, um dos maiores compositores americanos do séc. XX)

Esta letra tem uma música lindíssima a dar-lhe, como dizer, corpo para voar. Costumo ouvi-la na rádio Class FM, 106.2, Montijo, cantada por uma voz feminina que não sei identificar.
Procurei-a no YouTube e não encontrei nenhuma interpretação de jeito, passe a expressão atamancada. Dão-se alvíssaras a quem encontrar um intérprete que a saiba servir (Não é a mim, é à canção).
Obrigada.
 
sábado, dezembro 15, 2007
  Beirut - Sunday smile

Etiquetas:

 
  E o prazo é...

No orçamento que pedi, devidamente embrulhado em folha xpto e envelope a condizer, com cada coisa no seu lugar e perfeitamente clara e às cores para não haver confusão entre letras e números (agora tive um ataque de tosse, desculpem, é do tempo) um dos items era, como é de norma, o prazo de excussão da obra. Eu vou aceitar. Duas semanas é prazo razoável, é, sim senhor, pode avançar.

Etiquetas:

 
  Claro...

- O meu marido está incógnito.
- Incógnito?
- Sim, está no estrangeiro e não sabe quando vem a Portugal.
- Ah.

Etiquetas:

 
quinta-feira, dezembro 13, 2007
  Nat King Cole - The Christmas song

Etiquetas:

 
  Baby rose

Agora vou ver os zenhos minados.

Etiquetas:

 
quarta-feira, dezembro 12, 2007
  Lhasa de Sela - El desierto

Etiquetas:

 
 

A bucólica margem

Leio este poema agora e pela primeira vez e já o coração o repete, tão apaixonado o ritmo que lhe provoca. É uma das minhas maneiras de descansar da vida e de mim este ler poesia, este conhecer novos poemas, este descobrir de sons que estavam aqui desde sempre - soube assim que os ouvi.

Sento-me então a olhar o rio,
os pensamentos formam cardumes
que contra a corrente se insurgem
mas as águas são inexoráveis;
olhando-as, a superfície cintila,
propaga-se como se fossem notas
de um piano na garupa de um cavalo
que se dirige para o mar.
O Douro bebe as cores da cidade,
sobre elas eu abro o coração
em que te encontras, as colinas
emolduram as raizes que à terra
nos ligam. Para os meus olhos
é momento de pausa: as coisas
que interrogo não resistem à maré,
não dão respostas; perdem-se no mar
como tudo o que a memória não reteve.
Mas este rio
já foi longamente folheado, nele
escrevemos
o romance que nos deu uma casa,
nos cortou o cabelo, nos afastou
das rugas, nos entregou o azul
(tecido, nuvem, divã, janela...),
o voo das artérias, lugar do corpo,
portas que amanhecem, espelho
onde fazemos fluir a vida. Acordes
da guitarra que forja o horizonte,
que guia o sinuoso voo das gaivotas
e acaricia a pele que rasga atalhos
no interior dos sonhos. Estarei
vivo enquanto assim me guardar
teu coração. E no seu lucilar,
esta água imita o fogo
que devora sombras e escombros,
libertando a asa que no sangue
respira. A foz está próxima,
mas o horizonte é o teu olhar.
No leitor do carro, a guitarra flexível
sublinha o que divago; os acordes
disparam,
encontram-me na trajectória do seu alvo.


Egito Gonçalves

Etiquetas:

 
  The way things are



So, what is Buddhism? Buddha used the best description himself. During the 1,500 years the teachings existed in India, they were called Dharma, and for the last 1,000 years in Tibet, the name was Chö. Both mean “the way things are”. Understanding “the way things are” is the key to every happiness. Buddha himself is both teacher, example, protector and friend. His help allows being to avoid suffering and to enter a state of increasing bliss while also liberating and enlightening others.

The way things are – a living approach to Buddhism for today’s world
Lama Ole Nydahl
 
terça-feira, dezembro 11, 2007
  Ennio Morricone - "Cinema Paradiso"

Etiquetas:

 
  Ennio Morricone - "Once Upon A Time In America"

Etiquetas:

 
  Lama Ole Nydahl em Lisboa



Vai decorrer em Lisboa, no dia 12 de Dezembro de 2007, uma palestra com o Lama Ole Nydahl.

Lama Ole Nydahl nasceu em 1941 e é um dos poucos ocidentais totalmente qualificados como lama e professor de meditação na tradição budista Karma Kagyu.

Em 1969, Ole Nydahl e a sua mulher Hannah tornaram-se nos primeiros alunos ocidentais de Sua Santidade o Décimo Sexto Gyalwa Karmapa. Depois de completar três anos de estudos de filosofia Budista e de prática intensiva de meditação – incluindo a transmissão de uma prática única do Budismo Caminho do Diamante chamada Morte Consciente (tib. Phowa) – Ole Nydahl começou a ensinar Budismo na Europa a pedido do Décimo Sexto Karmapa. Lama Ole transmite desde então a bênção da linha numa cidade diferente quase todos os dias, viajando e ensinando em todo o mundo. A profundidade do seu conhecimento e a dinâmica dos seus ensinamentos inspiram milhares de pessoas nas suas palestras e retiros de meditação.

Desafiando os conceitos estabelecidos sobre a vida e o Budismo de uma maneira pouco ortodoxa, Lama Ole tem sido um dos principais responsáveis pela introdução do Budismo no Ocidente e já estabeleceu, até hoje, mais de 557 centros budistas do Caminho do Diamante (Diamond Way) em 44 países, contando Portugal com dois centros, um em Lisboa e outro no Algarve. Lama Ole é autor de vários livros, incluindo The Way Things Are, Entering the Diamond Way, Mahamudra, Riding the Tiger A sua síntese única de estilo moderno com sabedoria antiga ajudou a criar o maior número de alunos praticando os métodos do Budismo do Caminho do Diamante no Ocidente.(todos da Blue Dolphin Publishing, USA) e The Great Seal (Fire WheelPublishing, USA).

Os nossos contactos são:

Budismo Caminho do Diamante
info@budismo-portugal.org
Telefone: 939259069
www.budismo-portugal.org
http://www.diamondway-buddhism.org/
http://www.lama-ole-nydahl.org/

 
  Isto já parece aqueles anúncios que têm a mania que criam suspense :)

Às 20h00 do dia 12 de Dezembro no Hotel Holiday Inn Lisbon-Continental, sito na Rua Laura Alves, 9, Lisboa.
 
  Uma viagem pelo budismo

Meus caros


Alguém que seja budista ou principiante ou interessado ou receptivo a filosofias enriquecedoras (o adjectivo é meu e é ousado porque ando a descobrir a minha verdade no meio disto tudo) de encarar a viagem pela vida?


Amanhã às 20h.
 
segunda-feira, dezembro 10, 2007
 



Hoje ando com o dia às costas prevendo um amanhã igual e com a minha chama a arder tão disfarçada. Que enrolado estou dentro de mim. Com medo não sei do quê. Vou imaginar-me numa cápsula protectora e dar o peito às balas. Se calhar são de borracha (longo suspiro). Apetece-me não ser eu...
Ass: Garfield
 
domingo, dezembro 09, 2007
  Arte poética

A dicção não implica estar alegre ou triste
Mas dar minha voz à veemência das coisas
E fazer do mundo exterior substância da minha mente
Como quem devora o coração do leão

Olha fita escuta
Atenta para a caçada no quarto penumbroso



Sophia de Mello Breyner Andresen
 
sábado, dezembro 08, 2007
  Pijamas. O Movimento Pijaminha.




Se há coisas que me fazem sentir que este blog pode tentar ser útil para além de ser palco do meu próprio prazer de escrever e partilhar estas coisas da escrita e do pensamento, elas estão ligadas a situações como esta para a qual chamo a atenção.

Segue o apelo.

Olá a todos!
Nesta altura em que finalmente o frio começa a dar um arzinho da sua graça e as luzes na rua anunciam o Natal à porta, venho mais uma vez fazer-vos um convite especial.
Esta ideia surgiu há dois anos e hoje já me atrevo a apelidá-la de "Movimento Pijaminha" pelo sucesso que têm tido os esforços conseguidos!
Pela 3ª vez consecutiva, venho apelar à vossa boa-vontade e pedir-vos que se juntem a mim no esforço de tornar o Natal de algumas crianças mais quentinho.

O que se pede é muito simples... e é tão fácil ajudar! São necessários (principalmente) pijamas para as crianças que estão no IPO a fazer tratamentos de quimioterapia... Após os tratamentos, os pijamas ficam muito sujos e gastam-se muito rapidamente....
Só por curiosidade, no ano passado foram entregues 76 pijamas... e o IPO ficou muito satisfeito com esta dádiva.... este ano vamos repetir a façanha e se possível ultrapassar este número.....
As necessidades existentes passam pela falta de pijamas, pantufas, chinelos, meias, robes e fatos de treino .
Sei que a vida não está fácil mas, dentro das vossas possibilidades peço-vos que participem, comprando ou obtendo, junto de amigos e familiares, agasalhos que já não sirvam.
E já agora, se acharem que sim, espalhem a palavra!

Se divulgarem já estão a ajudar!!! "


Filipa Fonseca
T 93 333 76 66



 
  Pele virtual...

(...)
Entre existires e não existires antes não existires,
é mais inteiro, deixa menos dúvidas dentro do crânio,
ao lado dos ossos normais. Entre mulher e homem
o melhor é não teres mesmo por onde escolher,
vestir saia-casaco ou fato completo,
usar até, em dias de festa, as tuas peles virtuais.


António Franco Alexandre
 
  Radiohead - Creep

Etiquetas:

 
quinta-feira, dezembro 06, 2007
  Para sempre

Antigamente todos os contos para crianças terminavam com a mesma frase, e foram felizes para sempre, isto depois de o Príncipe casar com a Princesa e de terem muitos filhos. Na vida, é claro, nenhum enredo remata assim. As Princesas casam com os guarda-costas, casam com os trapezistas, a vida continua, e os dois são infelizes até que se separam. Anos mais tarde, como todos nós, morrem. Só somos felizes, verdadeiramente felizes, quando é para sempre, mas só as crianças habitam esse tempo no qual todas as coisas duram para sempre.

José Eduardo Agualusa, in 'O Vendedor de Passados'
 
  Res...pi...rar

Como é que nos podemos cansar do ar que respiramos?...

Escrevi pensando no que sinto, a saber, nunca me canso daquilo que é o meu respirar (e a poesia faz parte da minha respiração mais profunda); Como seria possível cansar-me?
E leio, saído de mim e já autónomo o pensamento, e interpreto-o como vindo de alguém que está tão cansado de tudo, que se quer alhear até do que lhe dá vida, do ar que respira.


Nunca se pode colar o texto à pessoa, pois não?
Nunca se pode dizer nunca?

Pirata, chegue-se à frente.
 
quarta-feira, dezembro 05, 2007
 

Aniversário

Salva-me agora, não desta morte ou de outra
mas de ir vivendo assim seguramente
sem música nem arte, e com o amigo ausente.
No escuro ainda levantei-me e vi
a antiga madrugada que nascia
leve e primeira com a luz macia.
E quem me ouvia, se não os mortos mansos
e generosos sob a lousa fria?
É certo que sonhei que me deixavas
amar e ser amado, como quem
sem mérito nem rosto me fizeste;
mas era de cantor que me mandavas
às portas da cidade ver arder o dia.

António Franco Alexandre

Etiquetas:

 
 

Como é que nos podemos cansar do ar que respiramos?...
 
  Deborah Kerr

 
 



(30/09/1921-16/10/2007)
 
terça-feira, dezembro 04, 2007
  Não duvido absolutamente quase nada

Há uns meses atrás pensei que daquela vez é que era para a vida. Depois de inúmeras tentativas sempre achando de cada vez "agora é que é" com um ar convicto e até um pouco emocionado dada as anteriores certezas postas afinal em causa pela óbvia dificuldade do empreendimento, ter chegado a um lugar de alguma acalmia cá em casa foi bom mas não durou mais que 4, 5 meses?

Avancemos, pois pormenores domésticos são despiciendos neste post.
Hoje deu-se uma revelação. De repente vi a casa com outros olhos e reparei em ângulos nunca vistos - o que quase me parece mentira tendo em conta que os móveis, sofás, cadeiras, quadros, etc, já estiveram em todas as paredes e a sala de estar, a maior vítima destas mudanças, andou numa roda perfeitamente stressante, mas sempre por bons motivos. Só me faltou - por culpa da lei da gravidade - voltar a sala ao contrário no sentido de o chão ser o tecto e vice-versa.
E hoje, hoje! Hoje (não me canso de dizer hoje), hoje parece que a sala nasceu para estar como está. A sala e o que lá está dentro foram feitos para serem felizes juntos, nota-se-lhes nos olhos que me espreitam, seguros e até um pouco arrogantes. Até os inúmeros pregos espalhados pelas paredes, fruto de diversos e absolutamente definitivos estados de espírito, foram aproveitados, leia-se camuflados, para suporte de nova disposição absolutamente inovadora!
É desta? É, é. Tenho a certeza!

............................
 
segunda-feira, dezembro 03, 2007
  From Here To Eternity



...Em homenagem a Deborah Kerr (1921-2007) num papel que se tornou tão imortal como o beijo.

Etiquetas:

 
  Foto de bébé no ventre de sua mãe



http://channel.nationalgeographic.com/channel/inthewomboriginal/
 
  Estamos a chegar a este lugar estranho, o Natal...

Não digo do Nataldigo da nata
do tempo
que se coalha com o frio
e nos fica branquíssima e exacta
nas mãos que não sabem de que cio

nasceu esta semente; mas
que invade
esses tempos relíquidos
e pardos
e faz assim que o coração se agrade
de terrenos de pedras e de cardos

por dezembros cobertos. Só então
é
que descobre dias de brancura
esta nova pupila, outra visão,

e as cores da terra são feroz loucura
moídas numa só, e feitas pão
com que a vida resiste, e anda, e dura


Pedro Tamen
 
 




Gosto bastante desta fotografia. Retrata a montra de uma galeria de arte e quase se ultrapassa por se assemelhar a um quadro feito de vários quadros dentro. Gosto das cores, quentes e luminosas, ardentes. Gosto da forma como a tirei, sem enquadrar demasiado, sem procurar a perfeição, antes tentando captar o impulso que me fez escolher o objecto, que foi tão simplesmente o apelo da cor e da luz.
 
domingo, dezembro 02, 2007
  Ministro da Ciência solidariza-se com vítimas de praxes académicas

O ministro da Ciência e Ensino Superior, Mariano Gago, solidarizou-se ontem com os estudantes vítimas de acidentes “gravíssimos” ocorridos recentemente durante praxes academias e apelou “mais uma vez” às instituições de ensino superior que “rejeitem a repetição de práticas absolutamente inaceitáveis”.

(continue a ler aqui)


No mesmo comunicado diz-se ainda que, “sem prejuízo do necessário apuramento de responsabilidades civil e criminais”, há um novo Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES), já em vigor, que determina que constitui igualmente infracção disciplinar “a prática de actos de violência ou coacção física ou psicológica sobre outros estudantes, designadamente no quadro das ‘praxes académicas’”.


In Público
 
  (cont.)

Um estudante da Escola Superior Agrária de Coimbra sofreu, quarta-feira, um traumatismo vértebro-medular no âmbito de uma actividade de praxe (...).

O jovem, de 20 anos, sofreu um traumatismo vértebro-medular na região cervical que lhe provocou tetraplegia (perda dos movimentos das pernas e braços), revelou o presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar de Coimbra (CHC-EPE), Rui Pato.
(...)

Segundo o Diário de Coimbra, o jovem sofreu esta grave lesão após ter-se lançado, de cabeça, de um escorrega com um desnível de dois metros para um túnel, durante uma actividade de praxe.



Diário Digital / Lusa
30-11-2007 12:23:07

Copiado d'aqui.

E lido aqui: Portugal Diário; Jornal de Notícias; Diário de Notícias; Portugal Diário;
Correio da manhã; Público
 
  Quando uma praxe causa uma tetraplegia

Na Escola Superior Agrária de Coimbra. 28-11-2007

(Conforme notícia que li no Depois do Trauma)

Copio a notícia no próximo post e espero e desejo que este facto não seja abafado e levado à condição de um acidentezinho, coitadinho, ele teve azar, quem é que o mandou respeitar a praxe? mas seja amplamente divulgado e que se tenha coragem de pôr travão às práticas atentatórias da dignidade humana e às que ponham em causa a integridade física e/ou mental dos envolvidos. Que se ponha em causa as praxes, pelo menos esse tipo de praxes que envolvem aquelas práticas.
E, se não for pedir muito, que os directores destas escolas assumam a sua parte na responsabilidade.
Dito isto eis que leio as declarações do Presidente do Conselho Directivo da Escola Superior Agrária de Coimbra, Carlos Dias Pereira.
Foi uma reacção inusitada. Se calhar quis fazer uma manobra de exibição.
 
  Praxe

Praxe académica:

conjunto de costumes e convenções praticados em diversas universidades pelos seus alunos e que se destinam à recepção dos caloiros.

Recepção:

acto ou efeito de receber;
acto de receber, com certo cerimonial, visitas ou cumprimentos;
cerimónia em que um novo membro da academia, corporação, etc. é admitido ou empossado;
acolhimento;
 
sábado, dezembro 01, 2007
  Cat Power



Love & Communication
acoustic

Etiquetas:

 
 




Não sei o que estes olhos como agora olham transmitem. Temos vários olhares, várias memórias que lhes estão inscritas, neles falam vários tons de voz e neles se reflecte, ou não, toda a nossa (i)mortalidade.

Etiquetas:

 
  Extravio

Algum anjo
terá chegado ao silêncio da terra
e estará ditando as suas sílabas translúcidas
ao imenso extravio
à memória do inaudito


António Ramos Rosa
 
Sur la marée haute je suis montée la tête est pleine mais le coeur n'a pas assez. Lhasa de Sela


mareehaute.is.vague@gmail.com

Praias
  • Associação Salvador (Salvador Mendes de Almeida)
  • A barbearia do senhor Luís
  • Abrupto
  • Academia dos Livros
  • Acto falhado
  • Almocreve das petas
  • Ana de Amsterdam
  • A Natureza do mal
  • A origem das espécies
  • A origem das espécies
  • Artedosdias
  • Apenas mais um
  • Aqui e agora
  • À rédea solta
  • artedosdias
  • avatares de um desejo
  • Aventar
  • Bandeira ao vento
  • Binoculista
  • Blasfémias
  • BlogOperatório
  • Blogue dos marretas
  • Blogville
  • Branco sujo
  • Caderno de Campo
  • Canela moída
  • Casadeosso
  • Casario do ginjal
  • Charquinho
  • Chez 0.4
  • Cibertúlia
  • Ciranda
  • Cócó na fralda
  • Com menta
  • Controversa maresia
  • Conversamos?!
  • Curiosidades
  • Da literatura
  • Delito de opinião
  • Dia de preguiça
  • Depois do trauma
  • Desesperada esperança
  • Directriz
  • Diz que não gosta de música clássica?
  • Do Portugal profundo
  • Drowned world
  • "Estranha maldição"
  • Equinócio de outono
  • Espero bem que não...
  • Fernão capelo gaivota
  • Folhinha Paroquial
  • Garfiar, só me apetece
  • Gapingvoid
  • Garficopo
  • Geração de 60
  • Gil Giardelli
  • Hummmm... i see
  • Infinito Pessoal
  • Invicta Filmes
  • Irmão Lúcia
  • João Pereira Coutinho
  • Jornalismo e comunicação
  • La double vie de veronique
  • Largo da Memória
  • Lauro António apresenta...
  • Leio a Vogue e o Saramago
  • Lua de lobos
  • Marjorie Rodrigues
  • Mas certamente que sim!
  • Ma-schamba
  • Memória virtual
  • Meus Mandamintos Poéticos
  • Miniscente
  • M.me mean
  • Não compreendo as mulheres
  • Não compreendo os homens
  • Nome de rua quieta
  • Nós Vencedores
  • Novos voos
  • O Insurgente
  • O mundo tem inscrições sempre abertas
  • obvious - um olhar mais demorado...
  • Ortografia do olhar
  • O Ser Fictício
  • O Universo numa Casca de Noz
  • Palombella rossa
  • Para lá do espelho
  • Partilhas
  • Pau para toda a obra
  • Pedro Rolo Duarte
  • People who...
  • Piano
  • Pimenta negra
  • Ponto sem nó
  • Premiere
  • Prosimetron
  • Púrpura secreta
  • Porta-livros
  • Raízes e antenas
  • Red Dust
  • Renascido
  • Respirar o mesmo ar
  • Rua da judiaria
  • Salete Chiamulera
  • Sem tambores e sem trompetes
  • Sexualidade feminina
  • Singrando horizontes
  • Sinusite crónica
  • Sol & tude
  • The old man
  • The Huffingtonpost
  • Um amor atrevido
  • Uma mulher não chora
  • Um chá no deserto
  • Um filme por dia não sabe o bem que lhe fazia
  • Um homem na cidade
  • Um piano na floresta
  • vontade indómita
  • Voz do deserto
  • Voz em fuga
  • Way to blue
  • Zumbido
  • 31 da armada
  • 50 Anos de Filmes
  • 100 nada
  • Guia do Lazer.Público
  • Time out
  • Cinecartaz.Público
  • Cinemateca
  • IMDB - The Internet Movie Database
  • Hollywood yesterday and today
  • Centro Cultural de Belém
  • Culturgest
  • Fundação Calouste Gulbenkian
  • Instituto dos Museus e da Conservação
  • Museus Portugal
  • Instituto Franco-Português
  • Le cool Lisboa
  • Pavilhão do Conhecimento
  • Dicionário e enciclopédia Porto editora
  • Bertrand
  • Fnac
  • Bartleby.com
  • Love your body
  • Sintonizate
  • Windows Media Guide
  • Agenda Uguru
  • TicketLine - Compra de bilhetes online
  • BBC on this day
  • Magnum photos
  • How To Do Just About Everything
  • Logitravel.pt
  • The Slow Movement
  • ViaMichelin
  • Arquivos

    Setembro 2004
    Outubro 2004
    Novembro 2004
    Dezembro 2004
    Janeiro 2005
    Fevereiro 2005
    Março 2005
    Abril 2005
    Maio 2005
    Junho 2005
    Julho 2005
    Agosto 2005
    Setembro 2005
    Outubro 2005
    Novembro 2005
    Dezembro 2005
    Janeiro 2006
    Fevereiro 2006
    Março 2006
    Abril 2006
    Maio 2006
    Junho 2006
    Julho 2006
    Agosto 2006
    Setembro 2006
    Outubro 2006
    Novembro 2006
    Dezembro 2006
    Janeiro 2007
    Fevereiro 2007
    Março 2007
    Abril 2007
    Maio 2007
    Junho 2007
    Julho 2007
    Agosto 2007
    Setembro 2007
    Outubro 2007
    Novembro 2007
    Dezembro 2007
    Janeiro 2008
    Fevereiro 2008
    Março 2008
    Abril 2008
    Maio 2008
    Junho 2008
    Julho 2008
    Agosto 2008
    Setembro 2008
    Outubro 2008
    Novembro 2008
    Dezembro 2008
    Janeiro 2009
    Fevereiro 2009
    Março 2009
    Abril 2009
    Maio 2009
    Junho 2009
    Julho 2009
    Agosto 2009
    Setembro 2009
    Outubro 2009
    Novembro 2009
    Dezembro 2009
    Janeiro 2010
    Fevereiro 2010
    Março 2010
    Abril 2010
    Maio 2010
    Junho 2010
    Julho 2010
    Agosto 2010
    Setembro 2010
    Outubro 2010
    Novembro 2010
    Dezembro 2010
    Janeiro 2011
    Fevereiro 2011
    Março 2011
    Abril 2011
    Maio 2011
    Junho 2011
    Julho 2011
    Agosto 2011
    Setembro 2011
    Outubro 2011
    Novembro 2011
    Outubro 2012










    Powered by Blogger




    referer referrer referers referrers http_referer