ccccff
La marée haute
sexta-feira, setembro 30, 2005
  mailing list a céu aberto

Isto não é um diário e à medida que me afasto do blog e o vejo à distância apercebo-me da falta de sentido que o relato doméstica e banal tem. Não quero nem nunca quis ver isto como um relato. E não o vejo assim embora às vezes rés vés campo de ourique me sinta beliscada por mim mesma nas minhas coisas mas permito-me isso.
É bom não tomar nada como certo. Numa coincidência qualquer pára-se, há um acontecimento que despoleta a travagem, seja o trabalho longe do pc, a falta de paciência, o sentir que não 'tenho de' escrever, que não quero fazer fretes, sobretudo no meu blog e por respeito a mim mesma. Não quero dar isto como o facto 'um blog é um blog'. Um blog, cada um dos nossos blogs pode ser um case studie. Eu escrevo porque gosto. Porque é para mim uma forma mais e melhor de 'respirar'. E o que escrevo é menos do que tenho e às vezes é mais. Não quero dar tudo nem nada. E é bom quando se interage através destas teclas com as pessoas (virtuais), quando o eu aqui e o tu daí se tocam, reconhecendo afinidades diversas, decididamente electivas.
E até logo, que o fim de semana passa depressa. E bem, espera-se. Bom fim de semana e viva o Benfica, pois claro.
 
quarta-feira, setembro 28, 2005
  Alive and kicking

Dada a frequência quase diária ou semanal com que escrevo e comento, as últimas semanas não têm sido profícuas. Não que me importe nem é a inspiração que me falta, aqui funciona antes o princípio do prazer, do tempo e do espaço mental.
Acho por bem e por simpatia dar uma pequena notícia de mim. Estou viva!


 
segunda-feira, setembro 26, 2005
  Inspiración*



Le Violoniste Bleu
Marc Chagall

Uma página, uma tela em branco à espera de mãos laboriosas ou de palavras que se expulsam porque sim. Procurei-a, o que me encontrou foi este quadro, azul, violino, harmonia e paixão. Frieza.

Nestas férias li um livro. Não levei a variedade indecisa do costume, a meia dúzia que me atropela a vontade e se lhe quer impôr. Comigo foi Jerusalém, de Gonçalo M. Tavares: bela, segura, contida escrita, a suster um enredo que cruza vidas, tempos e coincidências mortais num contexto que desafia a palavra loucura a definir-se...


*Gotan Project

Etiquetas: , , ,

 
quinta-feira, setembro 22, 2005
  A Intenção

"Ó Feliciano, tu não vês que o que elas querem é só uma coisa?" E procurava, nas calças, o que lhe parecia faltar. Dinheiro. Lá achou a carteira, inchada de moedas e cartões de que não necessitava, mas lhe avolumavam a credibilidade, pensava ele lá no fundo, embora ainda mais no fundo achasse que não. E ele era o cartão de sócio da Proteste, o de sócio dos bombeiros, o cartão mais do jumbo, e, bem à vista bem usado quase falido, o multibanco. Dinheiro que é bom e elas gostavam, só uma pouca nota de 2 contos.
Assim não chegava lá, acabrunhava-se António e revoltava-se contra a triste vida que lhe coubera em destino. E olhava, com raiva contida, os outros, os que a tinham grande, que ele bem sabia que o volume da sua não lhe agendava encontros, nada, comparada com a do Senhor Arquitecto que vivia em frente e era casado com uma mulher esplendorosa e cara, via-se pelas malas, pelos sapatos que lhe esguiavam as pernas.
Como é que ele, António, podia dar a uma mulher daquelas, ou das outras, que isto hoje são todas iguais, lindas ou pacóvias, todas se julgam no direito de ter ouro e jóias e jantares fora, como é que ele podia, com o seu cada vez mais emagrecido salário de guarda florestal (como se não bastasse tê-la pequena, a carteira, ainda tinha de passar o dia desterrado em terra de árvores, que sorte, carago), como é que ele podia dar a uma mulher o que ela precisava? Pois se estava provado que elas precisavam disso... de jantares, uma ida ao cinema, de se mostrar numa sala de teatro, ir para a esplanada na praia e folhear a Maria, ou já a Caras.
Não, estava mais que visto que assim não chegava lá. Mas inconformado com a sua sorte permanecia António. "As coisas têm que mudar, então? Também tenho direito ao que é bom!", dizia ele ao seu companheiro de café, o Feliciano, que, calado e com ar sonso de bom ouvinte, bebia a gasosa com cheirinho a tintol enquanto fitava, entendido, as mulheres que passavam do lado de fora do tasco.
"Ó homem, acorda! Deixa lá quem passa, parece babado, nunca viste uma mulher?...", lançava, mais a jeito de quem fala para si que para o Feliciano, que dia sim, dia não, lhe aturava as lamúrias, mas que lá se desenrascava, com uns esquemazitos mais ou menos bem montados.
"Tenho 40 anos", continuava António. "E tu queres crer que não sinto mulher, daquelas que a gente sabe, há mais de...Olha, desde sempre.." E desmoronou-se o rosto do António. O Feliciano desviou o olhar da rua e finalmente encarou, como se tivesse realmente acabado de acordar, o pobre do outro, que desfiava a mágoa e desafiava a felicidade a procurá-lo.
Nunca o tinha visto assim, tão de rosto caído. É verdade que não havia dia em que se encontrassem que o António não se queixasse disto e daquilo, da solidão, das mulheres fáceis que encontrava na noite, do pouco tostão ao fim do mês, mas já se sabia que aquilo já nem era defeito, era feitio, e passava-lhe com umas cervejolas e um uísque ao fim de semana. E assim os dias assim rolavam, iguais e certos.
Mas hoje o homem parecia decidido a qualquer coisa.
O Feliciano assustou-se. Homem pacato como era e pouco dado a desacatos, intuía da conversa do outro uma intenção que perscrutava discretamente no rosto do António.
"Isto tem de mudar", continuava António, em cujo olhar o do agora atento Feliciano se demorava. "Vou mudar de vida", rematou misteriosamente.
Feliciano permanecia calado.
O outro calou-se com a conversa das queixas e mudou para a prima Rosalina, que era como uma irmã para ele, tanto assim, que uma vez por mês se deslocava de Almada para o Bombarral e lhe ia dar um jeitinho à casa e engomar-lhe as 4 camisas que ele vestia por mês, em dias domingueiros. A prima Rosalina, sim, uma irmã...Nas sextas em que ela vinha, o António saía mais tarde de casa para o trabalho e chegava a hora de lanchar com ela. A prima Rosalina era casada com o tio Vicente.
O tio Vicente desconhecia estas andanças da mulher Rosalina na última semana de cada mês. Rosalina era mulher honrada, claro, mas o tio Vicente, com quase 80 e enriquecido à custa do ferro velho estava a tornar-se desconfiado e forreta. A idade não perdoa.
Feliciano arregalava os olhos normalmente mortiços e continuava calado. Já sabia o que a casa gastava e que, atrás das benditas aparências do santo António, jogavam-se calculadas estratégias.
António parecia mais repousado, agora que falava na prima-irmã. Devia ser da gratidão que lhe votava; afinal quantas primas ou estariam dispostas a ajudar assim os primos, por muito irmãos que fossem?...
Feliciano olhou-o, desconfiado de tanta gratidão.
Mas o alarme que vinha crescentemente sentindo aumentou quando António, mudando de novo o rumo e o tom à conversa, disparou de chofre: "Ó Feliciano, tu não vês que o que elas querem é isto?" E apontou para a carteira que jazia, abandonada nos bolsos das calças.
E sondando-o ao de leve, sim, que o António não era tanso e o Feliciano nem por isso, saiu-se de mansinho..."Ó Feliciano, um homem de 80 anos, com tanto dinheiro, já viveu o que tinha a viver..."




Escrevi este texto há uns bons e largos anos e descobri-o em pleno processo de arrumações. Gosto dele, tb porque foi escrito no intervalo de um trabalho que estava a fazer no pc e que de repente teve de ser interrompido pelo acima transcrito imperativo que entrou por ali dentro. Ah, a propósito não sei se o Bombarral fica muito longe de Almada, mea culpa ignorante; quanto ao guarda florestal foi metido ao barulho sabe-se lá como, não me esforcei muito e isso foi o melhor e agora com licença, vou fechar a loja e ligar o alarme.
Que sono. Boa noite.
 
 

É íntima a certeza, a fé, chamo fé a essa força que vem de dentro e leva a enfrentar com teimosia terrena e olhos no alto a inevitabilidade das provas certeiramente dolorosas. Quisera ter o mundo na mão e explicá-lo, não me sujeitando ao desconhecimento lógico mas rendo-me à evidência calma de uma impermeabilidade das coisas que não me inquieta já mas que se me cola à pele mais nocturna e densa, numa ao mesmo tempo leveza de saber que podemos ser maiores que nós e descobrirmo-nos capazes de enfrentar tudo antes de desistir. Dizem que as árvores morrem de pé e é isso que eu temo em ti, e é por isso que o escrevo, para o confirmar perante mim e o meu compromisso egoísta de te ver feliz.
 
terça-feira, setembro 20, 2005
  Valha-nos o stress mais indicado para cada estado de espírito

Diz uma revista da especialidade (acho que era a Nova Gente) que o stress pós férias é um facto a ter em conta quando o mau humor espreita. Ora isto não se me aplica dado que o meu stress pós é pré, dado que aparece um dia antes de eu regressar e desaparece um dia depois.

 
quinta-feira, setembro 08, 2005
  Eis a questão

Tenho vontade de escrever após uma semana de abstenção voluntária e absolutamente repousante. E, que raios, esqueci-me dos cadernos onde aponto palavras, frases, pistas de conversa, desenhos feitos por mão vaga. Mas, ora bem, escrever é também não escrever em suporte físico ou virtual, é, também, descansar a vista em paisagens onde as palavras não se fixam mas voam sonolentas e a memória arquiva selectiva e inconscientemente as vivências que a escrita eterniza.

Continuando no até já.
 
  Omaggio a Federico e Giulietta

Uma das canções que elegi num post de há dias como uma das canções que fiz minha, música e letra num todo perfeito, é Esta...

Cajuína

Existirmos: a que será que se destina?
Pois quando tu me deste a rosa pequenina
Vi que és um homem lindo e que se acaso a sina
Do menino infeliz não se nos ilumina
Tampouco turva-se a lágrima nordestina
Apenas a matéria vida era tão fina
E éramos olharmo-nos intacta retina
A cajuína cristalina em Teresina



...Neste fabuloso disco

Omaggio a Federico e Giulietta

Caetano Veloso

Etiquetas: ,

 
sexta-feira, setembro 02, 2005
 






Já venho! :)
 
 

Quem deu asas aos meus sonhos?




(Não sei o que quer dizer mas a frase bateu à porta e eu deixei-a entrar)
 
Sur la marée haute je suis montée la tête est pleine mais le coeur n'a pas assez. Lhasa de Sela


mareehaute.is.vague@gmail.com

Praias
  • Associação Salvador (Salvador Mendes de Almeida)
  • A barbearia do senhor Luís
  • Abrupto
  • Academia dos Livros
  • Acto falhado
  • Almocreve das petas
  • Ana de Amsterdam
  • A Natureza do mal
  • A origem das espécies
  • A origem das espécies
  • Artedosdias
  • Apenas mais um
  • Aqui e agora
  • À rédea solta
  • artedosdias
  • avatares de um desejo
  • Aventar
  • Bandeira ao vento
  • Binoculista
  • Blasfémias
  • BlogOperatório
  • Blogue dos marretas
  • Blogville
  • Branco sujo
  • Caderno de Campo
  • Canela moída
  • Casadeosso
  • Casario do ginjal
  • Charquinho
  • Chez 0.4
  • Cibertúlia
  • Ciranda
  • Cócó na fralda
  • Com menta
  • Controversa maresia
  • Conversamos?!
  • Curiosidades
  • Da literatura
  • Delito de opinião
  • Dia de preguiça
  • Depois do trauma
  • Desesperada esperança
  • Directriz
  • Diz que não gosta de música clássica?
  • Do Portugal profundo
  • Drowned world
  • "Estranha maldição"
  • Equinócio de outono
  • Espero bem que não...
  • Fernão capelo gaivota
  • Folhinha Paroquial
  • Garfiar, só me apetece
  • Gapingvoid
  • Garficopo
  • Geração de 60
  • Gil Giardelli
  • Hummmm... i see
  • Infinito Pessoal
  • Invicta Filmes
  • Irmão Lúcia
  • João Pereira Coutinho
  • Jornalismo e comunicação
  • La double vie de veronique
  • Largo da Memória
  • Lauro António apresenta...
  • Leio a Vogue e o Saramago
  • Lua de lobos
  • Marjorie Rodrigues
  • Mas certamente que sim!
  • Ma-schamba
  • Memória virtual
  • Meus Mandamintos Poéticos
  • Miniscente
  • M.me mean
  • Não compreendo as mulheres
  • Não compreendo os homens
  • Nome de rua quieta
  • Nós Vencedores
  • Novos voos
  • O Insurgente
  • O mundo tem inscrições sempre abertas
  • obvious - um olhar mais demorado...
  • Ortografia do olhar
  • O Ser Fictício
  • O Universo numa Casca de Noz
  • Palombella rossa
  • Para lá do espelho
  • Partilhas
  • Pau para toda a obra
  • Pedro Rolo Duarte
  • People who...
  • Piano
  • Pimenta negra
  • Ponto sem nó
  • Premiere
  • Prosimetron
  • Púrpura secreta
  • Porta-livros
  • Raízes e antenas
  • Red Dust
  • Renascido
  • Respirar o mesmo ar
  • Rua da judiaria
  • Salete Chiamulera
  • Sem tambores e sem trompetes
  • Sexualidade feminina
  • Singrando horizontes
  • Sinusite crónica
  • Sol & tude
  • The old man
  • The Huffingtonpost
  • Um amor atrevido
  • Uma mulher não chora
  • Um chá no deserto
  • Um filme por dia não sabe o bem que lhe fazia
  • Um homem na cidade
  • Um piano na floresta
  • vontade indómita
  • Voz do deserto
  • Voz em fuga
  • Way to blue
  • Zumbido
  • 31 da armada
  • 50 Anos de Filmes
  • 100 nada
  • Guia do Lazer.Público
  • Time out
  • Cinecartaz.Público
  • Cinemateca
  • IMDB - The Internet Movie Database
  • Hollywood yesterday and today
  • Centro Cultural de Belém
  • Culturgest
  • Fundação Calouste Gulbenkian
  • Instituto dos Museus e da Conservação
  • Museus Portugal
  • Instituto Franco-Português
  • Le cool Lisboa
  • Pavilhão do Conhecimento
  • Dicionário e enciclopédia Porto editora
  • Bertrand
  • Fnac
  • Bartleby.com
  • Love your body
  • Sintonizate
  • Windows Media Guide
  • Agenda Uguru
  • TicketLine - Compra de bilhetes online
  • BBC on this day
  • Magnum photos
  • How To Do Just About Everything
  • Logitravel.pt
  • The Slow Movement
  • ViaMichelin
  • Arquivos

    Setembro 2004
    Outubro 2004
    Novembro 2004
    Dezembro 2004
    Janeiro 2005
    Fevereiro 2005
    Março 2005
    Abril 2005
    Maio 2005
    Junho 2005
    Julho 2005
    Agosto 2005
    Setembro 2005
    Outubro 2005
    Novembro 2005
    Dezembro 2005
    Janeiro 2006
    Fevereiro 2006
    Março 2006
    Abril 2006
    Maio 2006
    Junho 2006
    Julho 2006
    Agosto 2006
    Setembro 2006
    Outubro 2006
    Novembro 2006
    Dezembro 2006
    Janeiro 2007
    Fevereiro 2007
    Março 2007
    Abril 2007
    Maio 2007
    Junho 2007
    Julho 2007
    Agosto 2007
    Setembro 2007
    Outubro 2007
    Novembro 2007
    Dezembro 2007
    Janeiro 2008
    Fevereiro 2008
    Março 2008
    Abril 2008
    Maio 2008
    Junho 2008
    Julho 2008
    Agosto 2008
    Setembro 2008
    Outubro 2008
    Novembro 2008
    Dezembro 2008
    Janeiro 2009
    Fevereiro 2009
    Março 2009
    Abril 2009
    Maio 2009
    Junho 2009
    Julho 2009
    Agosto 2009
    Setembro 2009
    Outubro 2009
    Novembro 2009
    Dezembro 2009
    Janeiro 2010
    Fevereiro 2010
    Março 2010
    Abril 2010
    Maio 2010
    Junho 2010
    Julho 2010
    Agosto 2010
    Setembro 2010
    Outubro 2010
    Novembro 2010
    Dezembro 2010
    Janeiro 2011
    Fevereiro 2011
    Março 2011
    Abril 2011
    Maio 2011
    Junho 2011
    Julho 2011
    Agosto 2011
    Setembro 2011
    Outubro 2011
    Novembro 2011
    Outubro 2012










    Powered by Blogger




    referer referrer referers referrers http_referer